Como microrganismos intestinais podem causar distúrbios cerebrais


Desde a descoberta do microbioma em nosso próprio corpo, surgiram também novas perguntas a serem respondidas. De que maneira nosso estilo de vida influencia a composição de espécies da nossa microbiota?


estudo publicado na revista renomada nature

Já sabemos que a forma como nos alimentamos interfere consideravelmente nos microrganismos encontrados em nosso intestino, mas será que outros comportamentos ou atividades que realizamos em nosso dia-a-dia também possuem este poder?


Nosso trato gastrointestinal é habitado por inúmeras espécies de bactérias que compõem a microbiota intestinal – conhecida popularmente como flora intestinal - e exercem um papel importantíssimo na nossa saúde.

A relação entre o indivíduo e sua microbiota é chamada de mutualismo, o que significa que esta relação é vantajosa para ambos. Enquanto provemos a elas um ambiente propício para a sua sobrevivência, elas nos fornecem proteção contra patógenos, síntese de vitaminas, absorção de nutrientes e digestão.


Essas bactérias da microbiota intestinal ficam restritas ao intestino graças a uma parede impermeável de células que impede que elas escapem e caiam na corrente sanguínea. Há situações em que a membrana que protege o intestino fica danificada (ou permeável), permitindo que substâncias tóxicas e bactérias intestinais caiam na corrente sanguínea.

Muitos estudos vêm demonstrando como as alterações do microbioma se relacionam e interagem diretamente com as respostas do nosso sistema nervoso, sistema endócrino, sistema imune, ou mesmo, se correlacionam com uma grande quantidade de distúrbios, condições ou patologias.


É importante entender que a microbiota intestinal é composta por microrganismos que convivem conosco de forma harmoniosa e que até podem nos fazer bem quando mantidos em equilíbrio (chamados de simbiontes ou comensais). A função adequada da microbiota intestinal depende de uma composição estável.


Logo, mudanças na razão entre os diferentes grupos de bactérias presentes na microbiota ou a expansão de novos grupos bacterianos podem levar a um desequilíbrio da mesma.


Desequilíbrios na microbiota intestinal estão associadas a uma série de doenças, incluindo:

  • autoimunes,

  • metabólicas,

  • neoplásicas,

  • neurológicas,

  • gastrintestinais/digestivas,

  • cardiovasculares,

  • neurológicas e

  • infecciosas.

Alguns estudos encontraram também relações entre esse desequilíbrio e alterações na função cerebral