top of page

A Influência da dieta na modulação intestinal

Cerca de 60% da variação da microbiota intestinal está relacionada à dieta. Nossa alimentação pode afetar a sobrevivência e metabolismo das bactérias, causando alterações no padrão de colonização.


Pessoas comendo alimentos saudáveis e fast food.

O trato gastrointestinal humano apresenta diferentes composições de espécies bacterianas, sendo estas definidas geneticamente e/ou por características individuais e ambientais. Cada indivíduo possui uma microbiota intestinal única, composta de bactérias distintas, em sua maioria não patogênicas que são que são herdadas do hospedeiro, adquiridas no nascimento e que se desenvolve de acordo os hábitos de vida, uso de medicamentos, estresse e, até, a localização geográfica.


A utilização de antibióticos, sedentarismo, quimioterapia para o câncer e processos infecciosos do trato gastrointestinal (TGI) podem alterar permanentemente ou transitoriamente o ecossistema intestinal. Outro fator importante na alteração da microbiota intestinal é a dieta.


Leia também:


Nossa alimentação pode afetar a sobrevivência e metabolismo dessas bactérias, causando alterações no padrão de colonização bacteriana e gerando processos inflamatórios no nosso organismo. Logo, uma microbiota intestinal saudável e equilibrada resulta em um desempenho normal das funções fisiológicas, o que irá assegurar melhoria na qualidade de vida.


Uma produção elevada de substâncias inflamatórias no organismos favorece o aparecimento de diversas doenças, como câncer, doença inflamatória intestinal, obesidade, entre outras. Os compostos bioativos* da dieta têm um papel fundamental na imunomodulação da microbiota.


Estudos demonstraram que tanto a ingestão dietética quanto a microbiota intestinal são fontes de micronutrientes essenciais ao funcionamento do sistema imune.


A dieta influencia a atividade metabólica e a composição da microbiota intestinal, tendo um efeito sobre as respostas imune e inflamatórias, com consequências para a saúde. Em uma dieta com pouco consumo de fibras a microbiota intestinal passa a degradar o muco presente na barreira intestinal aumentando a susceptibilidade a patógenos.


Alimentos ultraprocessados, industrializados, adoçantes, emulsificantes, a dieta ocidental (tipicamente constituída por alto consumo de carne vermelha, gordura animal, açúcar e pobre em fibras), fornecem menores quantidades de fibras, levando à menor produção de ácidos graxos de cadeias curtas pela microbiota intestinal, sendo estes produtos imunomoduladores essenciais. O consumo desses alimentos podem ter um impacto negativo na saúde, sendo parcialmente responsável pela obesidade e outras doenças crônicas.


O consumo dos alimentos ultraprocessados pode levar à modificação da microbiota intestinal, causando desequilíbrio, gerando um processo inflamatório e, consequentemente, um intestino hiperpermeável.

Além disso, é provável que o intestino sofra uma redução na capacidade de absorção de nutrientes importantes e uma carência de vitaminas, principalmente do complexo B, além de vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K).


*Os compostos bioativos são substâncias que estão presentes em alguns alimentos, e são capazes de conferir benefícios fisiológicos ao organismo, e assim, promover a saúde.



Modulação Intestinal


A modulação Intestinal é um conjunto de intervenções aplicadas ao trato gastrointestinal, com o objetivo principal de reequilibrar as proporções de bactérias que compõem a microbiota.


A restauração da composição da microbiota intestinal deve ser realizada em termos qualitativos e quantitativos, de modo que diminua a incidência de bactérias patogênicas, em sua maioria responsáveis por esses desequilíbrios. Com a modulação da microbiota intestinal é possível obter diversos benefícios, como melhora dos sintomas gastrointestinais, disposição, fortalecimento do sistema imunológico, entre outros.


A modulação intestinal auxilia na proteção do epitélio intestinal, fornece nutrientes para a produção de substâncias benéficas ao organismo e evita a exposição do intestino a agentes agressores e desreguladores do metabolismo.

Em alguns casos, medidas apropriadas devem ser prescritas para restaurar o equilíbrio da microbiota intestinal. Adoção de uma dieta adequada, que beneficia a recuperação da microbiota intestinal e também o uso de suplementos* nutricionais podem ser indicados.



Como fazer a Modulação Intestinal?


A modulação intestinal pode ser realizada através de dietas e componentes alimentares específicos. As dietas que priorizam alimentos de origem vegetal e alimentos minimamente processados podem promover benefícios para microbiota intestinal e, consequentemente, para o indivíduo. Dentre essas dietas podemos citar:


Pote com uma salada diversificada.
  • Dieta do mediterrâneo - a principal característica desta dieta é o baixo consumo de ácidos graxos saturados, e elevado de gorduras insaturadas e compostos fenólicos, com potencial anti-inflamatório e antioxidante

  • Dieta Plant Based - os alimentos são consumidos em seu formato natural e em sua versão integral. Assim, são excluídos do cardápio alimentos processados, industrializados, fast-food, refinados e frituras

  • Dieta Vegetariana - há a exclusão de carnes de origem animal e produtos oriundos de animais em diferentes níveis


Essas dietas possuem em comum, a ingestão de prebióticos.


Os prebióticos são substâncias fermentáveis, não digeríveis, que promovem e ativam o metabolismo de bactérias benéficas no trato intestinal e visam modificar a composição do ecossistema intestinal por meio de mudanças nutricionais. Uma dieta rica em fibras pode proteger contra a inflamação intestinal por aumentar a produção de AGCC e bactérias anti-inflamatórias, incluindo Lactobacillus e Bifidobacterium. Além disso, a dieta para a prevenção e o tratamento da disbiose exige reeducação alimentar, evitando-se o excesso de ingestão dos alimentos considerados pró-inflamatórios.


Veja abaixo alguns alimentos prebióticos e suas funções no intestino:


  • Suco de laranja: tem capacidade de modular positivamente a composição e a atividade metabólica da microbiota, podendo aumentar as populações de Bifidobacterium e Lactobacillus.

  • Chá verde: contém propriedades anti-inflamatórias, devido a riqueza de compostos fenólicos e polifenóis que ajudam a modular a microbiota, favorecendo o crescimento de bactérias marcadoras de saúde.

  • Fibras (goma ácacia, goma guar, psyllium, inulina,etc): contém polímeros de carboidratos que não são hidrolisadas pelas enzimas do trato digestivo humano e acabam sendo fermentadas pelas bactérias intestinais, produzindo metabólitos benéficos para o hospedeiro .

  • Frutas cítricas, cereja, uva, ameixa, pêra, maçã, mamão, pimenta verde, brócolis, repolho roxo, cebola, alho e tomate: são fontes de compostos fenólicos e polifenóis que ajudam a modular a microbiota intestinal e contribuem para o crescimento de bactérias benéficas a saúde.

  • Cúrcuma: possui efeitos benéficos no epitélio intestinal e no sistema imunológico, atuando no fortalecimento da barreira intestinal.

  • Extrato de romã: fonte de compostos polifenólicos e resveratrol, que possuem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.

  • Condimentos frescos/secos como alecrim, orégano, gengibre, curry, canela, menta e hortelã: podem auxiliar na eliminação de bactérias patogênicas e promovem uma desinflamação intestinal, melhorando a simbiose das bactérias intestinais.

  • Gorduras mono e poli-insaturadas: como ômega 3, sementes (abóbora, gergelim, linhaça): possuem efeitos anti-inflamatório e no sistema imunológico. Além de favorecer o crescimento de Roseburia, Faecalibacterium prausnitzii , Bifidobacterium e Lactobacillus.


Acompanhar e entender a composição da microbiota intestinal é um excelente indicador de manutenção da saúde. Hoje existem no mercado testes que possibilitam a identificação das bactérias presentes na microbiota através do sequenciamento de DNA. As informações do sequenciamento correlacionadas com as condições clínicas podem fornecer informações valiosas para o profissional da saúde, que poderá ter condutas individualizadas e baseadas em evidências.


* É importante ressaltar que a suplementação de probióticos, prebióticos e simbióticos, assim como uma dieta, devem ser feitos por um profissional qualificado, pois o uso incorreto pode causar resultados diferentes dos desejados.


Os exames que possibilitam a identificação dos microrganismos presentes na microbiota intestinal através do sequenciamento de DNA, como o PRObiome e PRObiome Plus, podem ser correlacionados com as informações clínicas, auxiliando na conduta personalizada dos pacientes.


Procure o seu médico ou nutricionista e converse sobre como este exame pode ajudar a cuidar da sua saúde de forma mais precisa.



Referências:


Singh, R.K., Chang, H., Yan, D. et al. Influence of diet on the gut microbiome and implications for human health. J Transl Med 15, 73 (2017). https://doi.org/10.1186/s12967-017-1175-y


Sarah J. Clements & Simon R. Carding (2018) Diet, the intestinal microbiota, and immune health in aging, Critical Reviews in Food Science and Nutrition, 58:4, 651-661, DOI: 10.1080/10408398.2016.1211086


Karl JP, Hatch AM, Arcidiacono SM, Pearce SC, Pantoja-Feliciano IG, Doherty LA and Soares JW (2018) Effects of Psychological, Environmental and Physical Stressors on the Gut Microbiota. Front. Microbiol. 9:2013. doi: 10.3389/fmicb.2018.02013


Ana Carolina Delgado Lima, Clara Cecatti, Melaine Priscila Fidélix, Maria Angela Tallarico Adorno, Isabel Kimiko Sakamoto, Thais Borges Cesar, and Katia Sivieri.Journal of Medicinal Food.Feb (2019).202-210.http://doi.org/10.1089/jmf.2018.0080


Brasili, E., Hassimotto, N. M. A., Del Chierico, F., Marini, F., Quagliarello, A., Sciubba, F., Lajolo, F. M. (2019). Daily consumption of orange juice from Citrus sinensis L. Osbeck cv. Cara Cara and cv. Bahia differently affects Gut Microbiota Profiling as unveiled by an integrated meta-omics approach. Journal of Agricultural and Food Chemistry. doi:10.1021/acs.jafc.8b05408


Weiss GA, Hennet T. Mechanisms and consequences of intestinal dysbiosis. Cell Mol Life Sci. (2017) ;74(16):2959-77.


Gagliardi A, Totino V, Cacciotti F, Iebba V, Neroni B, Bonfiglio G, et al. Rebuilding the Gut Microbiota Ecosystem. Int J Environ Res Public Health. (2018);15(8). pii: E1679.


Ercolini D, Fogliano V. Food Design To Feed the Human Gut Microbiota. J Agric Food Chem. (2018);66(15):3754–3758. doi:10.1021/acs.jafc.8b00456


Nash V, Ranadheera CS, Georgousopoulou EN, et al. The effects of grape and red wine polyphenols on gut microbiota - A systematic review. Food Res Int. (2018); 113:277–287. doi:10.1016/j.foodres.2018.07.019


Lobionda S, Sittipo P, Kwon HY, Lee YK. The Role of Gut Microbiota in Intestinal Inflammation with Respect to Diet and Extrinsic Stressors. Microorganisms. (2019);7(8):271. doi:10.3390/microorganisms7080271


Desai MS, Seekatz AM, Koropatkin NM, et al. A Dietary Fiber-Deprived Gut Microbiota Degrades the Colonic Mucus Barrier and Enhances Pathogen Susceptibility. Cell. 2016;167(5):1339–1353.e21. doi:10.1016/j.cell.2016.10.043


Rothhammer V, Quintana FJ. The aryl hydrocarbon receptor: an environmental sensor integrating immune responses in health and disease. Nat Rev Immunol. (2019);19(3):184–197. doi:10.1038/s41577-019-0125-8


Koh A, De Vadder F, Kovatcheva-Datchary P, Bäckhed F. From Dietary Fiber to Host Physiology: Short-Chain Fatty Acids as Key Bacterial Metabolites. Cell. 2016;165(6):1332–1345. doi:10.1016/j.cell.2016.05.041


Chassaing B, Koren O, Goodrich JK, et al. Dietary emulsifiers impact the mouse gut microbiota promoting colitis and metabolic syndrome [published correction appears in Nature. 2016 Aug 11;536(7615):238]. Nature. 2015;519(7541):92–96. doi:10.1038/nature14232


Roca-Saavedra P, Mendez-Vilabrille V, Miranda JM, et al. Food additives, contaminants and other minor components: effects on human gut microbiota-a review. J Physiol Biochem. 2018;74(1):69–83. doi:10.1007/s13105-017-0564-2


Shi Z. Gut Microbiota: An Important Link between Western Diet and Chronic Diseases. Nutrients. 2019;11(10):2287. Published 2019 Sep 24. doi:10.3390/nu11102287


Riccio P, Rossano R. Undigested Food and Gut Microbiota May Cooperate in the Pathogenesis of Neuroinflammatory Diseases: A Matter of Barriers and a Proposal on the Origin of Organ Specificity. Nutrients. 2019;11(11):2714. Published 2019 Nov 9. doi:10.3390/nu11112714


Suez J, Korem T, Zeevi D, et al. Artificial sweeteners induce glucose intolerance by altering the gut microbiota. Nature. 2014;514(7521):181–186. doi:10.1038/nature13793

Mofleh IAA. Spices, herbal xenobiotics and the stomach: Friends or foes? World J Gastroenterol 2010; 16(22): 2710-2719

Posts Relacionados

Ver tudo

Comentários


Gostou do conteúdo?
Assine nossa newsletter e seja o primeiro a saber sobre as novidades.
* A BiomeHub tem o compromisso de proteger e respeitar sua privacidade e nós usaremos suas informações pessoais somente para administrar sua conta e fornecer os produtos e serviços que você nos solicitou. Ocasionalmente, gostaríamos de contatá-lo sobre os nossos produtos e serviços, também sobre outros assuntos que possam ser do seu interesse. Você pode cancelar o recebimento dessas comunicações quando quiser. 

Obrigado por se inscrever!

bottom of page