top of page

O que é a disbiose intestinal?

Nosso trato gastrointestinal é habitado por inúmeras espécies de bactérias que compõem a microbiota intestinal – conhecida popularmente como flora intestinal - e exercem um papel importantíssimo na nossa saúde.


equilibrio das bacterias

A composição da microbiota intestinal é única em cada indivíduo e muda ao longo da vida de acordo com múltiplos fatores. É composta de bactérias distintas, em sua maioria não patogênicas, muitas herdadas da mãe (adquiridas no nascimento), outras definidas por características ambientais, como idade e hábitos alimentares.


Em pessoas saudáveis, o intestino mantém um certo equilíbrio, em que as bactérias relacionadas à saúde intestinal superam as causadoras de doenças. O funcionamento adequado da microbiota intestinal depende de uma composição estável.


Logo, uma alteração entre os diferentes grupos de bactérias presentes na microbiota ou a proliferação de novos grupos bacterianos podem levar a um desequilíbrio da microbiota.


Doenças associadas à disbiose


As condições que representam algumas das principais causas de mortalidade em todo o mundo - incluindo obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e câncer - estão ligadas a mudanças observáveis ​​na microbiota intestinal humana.


E muitas outras condições crônicas, como doença inflamatória intestinal, asma e alergias e até diabetes, também têm sido associadas à disbiose.


A disbiose, portanto, é uma condição da microbiota intestinal em que um ou alguns microrganismos potencialmente nocivos estão presentes em grandes quantidades.

Esta condição pode criar uma situação propensa a doenças. Ou ainda, resultar em outras perturbações perceptíveis da microbiota, como alterações no formato e frequência da evacuação, infecções gastrointestinais ou inflamações. É importante ressaltar que todos os fatores podem ter um impacto no seu organismo.

Disbiose e a permeabilidade intestinal

O desequilíbrio da microbiota intestinal pode causar modificações nas funções do organismo que antes eram exercidas de forma harmônica.


As alterações nas funções da microbiota podem levar a processos inflamatórios, favorecendo a permeabilidade intestinal e reduzindo a capacidade de absorção pelo intestino de nutrientes importantes, além de causar uma carência de vitaminas.


Essa desarmonia na composição da microbiota também pode estar associada a alterações clínicas como a diarreia (relacionada a infecções ou ao tratamento por antibióticos), a alergia alimentar, o eczema atópico, doenças inflamatórias intestinais, diabetes, entre outras.

Quando o revestimento intestinal é comprometido, nossos microrganismos intestinais podem escapar e acabar em locais a que não pertencem.


À medida que se acumulam nessas áreas, as toxinas e metabólitos secretados pelas bactérias, podem levar a reações inflamatórias que danificam os tecidos e levam ao desenvolvimento de condições crônicas. Por esta razão, é importante o restabelecimento do revestimento intestinal, o mais rápido possível.



Fique atento à sua microbiota intestinal!


Na maioria dos casos, as mudanças na composição da microbiota intestinal são transitórias, causando sintomas temporários.


No entanto, nos casos em que esse desequilíbrio da microbiota é duradoura ou permanente, o paciente pode desenvolver sintomas crônicos. Assim, esse desequilíbrio pode se manifestar como sintomas clínicos temporários ou crônicos, ou ainda, pode ser assintomático, mas causar aumento na vulnerabilidade a várias doenças, incluindo infecções intestinais, bem como doenças metabólicas e neurológicas.


Por fim, como as alterações na microbiota podem estar envolvidas em determinadas patologias e influenciar de forma significativa o bem estar, é aconselhável acompanhar e entender sua composição, buscando indicadores de manutenção da saúde.


Os exames que possibilitam a identificação das bactérias presentes na microbiota intestinal através do sequenciamento de DNA, como o PRObiome, podem ser correlacionados com as informações clínicas, auxiliando na conduta personalizada dos pacientes. Além disso, podem auxiliar no acompanhamento frente às terapias e estratégias de modulação da microbiota intestinal.


Procure o seu médico ou nutricionista e converse sobre como este exame pode ajudar a cuidar da sua saúde de forma mais precisa.



Fonte:


ARNORIAGA-RODRÍGUEZ, M., et al. Microbiota impacts on chronic inflammation and metabolic syndrome - related cognitive dysfunction, 2019. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31884557/


COLLADO, M. C., et al. Postbiotics: facts and open questions. A position paper on the need for a consensus definition, 2019. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31965850/





SEKIROV, I., et al. Gut microbiota in health and disease, 2010. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20664075/


SINIAGINA, M., et al. Cultivated Escherichia coli diversity in intestinal microbiota of Crohn's disease patients and healthy individuals: Whole genome data, 2019. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31886370/


Posts Relacionados

Ver tudo

Yorumlar


Gostou do conteúdo?
Assine nossa newsletter e seja o primeiro a saber sobre as novidades.
* A BiomeHub tem o compromisso de proteger e respeitar sua privacidade e nós usaremos suas informações pessoais somente para administrar sua conta e fornecer os produtos e serviços que você nos solicitou. Ocasionalmente, gostaríamos de contatá-lo sobre os nossos produtos e serviços, também sobre outros assuntos que possam ser do seu interesse. Você pode cancelar o recebimento dessas comunicações quando quiser. 

Obrigado por se inscrever!

bottom of page