top of page

Akkermansia muciniphila: uma aliada para a saúde metabólica, intestinal e imunológica

Akkermansia muciniphila é uma bactéria intestinal que tem recebido bastante atenção devido ao seu potencial para influenciar uma série de condições. Neste post, vamos explorar mais sobre os benefícios para a saúde metabólica, intestinal e imunológica, e também como aumentar os níveis dessa bactéria no seu intestino.


Bactérias intestinais

O que é a Akkermansia muciniphila?


Akkermansia muciniphila é uma espécie de bactéria gram-negativa descoberta em 2004, sendo nomeada em homenagem ao ecologista Dr. Antoon Akkermans. 


A abundância de A. muciniphila no intestino aumenta rapidamente durante a infância e atinge a abundância semelhante em adultos (cerca de 1-5%) com 1 ano de idade, podendo ser predominante em centenários.



Qual é a importância da Akkermansia muciniphila na microbiota intestinal e na saúde? 


O potencial terapêutico da Akkermansia muciniphila está sendo explorado em várias áreas. A seguir descrevemos algumas das aplicações que foram identificadas até o momento:


1. Barreira intestinal


A A. muciniphila é uma bactéria mucolítica, ou seja, utiliza como substrato a mucina, um grupo de proteínas glicosiladas que compõem a camada de muco intestinal. Com isso ela promove um feedback positivo, pois estimula a produção de mais mucina ao aumentar a taxa de proliferação das células caliciformes (produtoras de muco). Esse processo restaura a espessura da camada de muco e fortalece a barreira intestinal, reduzindo a permeabilidade intestinal e contribuindo para a saúde e a integridade do intestino.


Além disso, ao degradar a mucina, a A. muciniphila libera moléculas menos complexas como os ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), principalmente acetato e propionato.  Os AGCC são então usados ​​por outras bactérias benéficas no microbioma intestinal, como a Faecalibacterium prausnitzii


2. Inflamação


Embora níveis adequados de A. muciniphila tenham o potencial de reduzir processos inflamatórios, níveis acima do percentual desejável dessa bactéria mucolítica podem ocasionar a redução da camada de muco intestinal, prejudicar o epitélio intestinal e aumentar a permeabilidade do intestino. Consequentemente, pode ocasionar maior propensão a doenças e desequilíbrios na resposta do sistema autoimune.


3. Saúde metabólica 


Um dos benefícios mais promissores associados à A. muciniphila é devido ao seu papel na regulação do metabolismo. A redução de A. muciniphila tem sido associada a condições como obesidade, resistência à insulina, diabetes tipo 2 e síndrome metabólica.


Os estudos sugerem que a presença da A. muciniphila está associada com uma melhor saúde metabólica, incluindo a regulação do açúcar no sangue e a redução da resistência à insulina. Um dos mecanismos já identificados para esse efeito é o estímulo da secreção de hormônios essenciais para regulação da saciedade e  do metabolismo da glicose.



Mas, afinal a Akkermansia muciniphila ajuda a emagrecer?


O primeiro teste clínico em humanos com a A. muciniphila, publicado na Nature Medicine em 2019, analisou trinta e dois indivíduos com pré-diabetes e síndrome metabólica e buscou analisar a segurança do tratamento. Eles foram aleatoriamente agrupados para receber por três meses um placebo ou a A. muciniphila viva ou inativada (doses diárias de cerca de 10 bilhões de bactérias). 


Uma descoberta muito interessante desse estudo foi que as bactérias inativadas, ou MAMPs de A. muciniphila, apresentaram um desempenho melhor do que as vivas! O tratamento com A. muciniphila gerou efeitos positivos em vários marcadores metabólicos e de saúde geral. Em comparação com o grupo do placebo, houve melhora na sensibilidade à insulina, no perfil de marcadores de inflamação e função hepática e redução do colesterol total.


Em relação ao peso corporal, circunferência do quadril e a massa adiposa, houve uma tendência na redução destes parâmetros em humanos, no entanto, sem diferenças estatísticas.


Como aumentar os níveis de Akkermansia muciniphila? 


Diversos fatores podem influenciar a abundância de A. muciniphila no intestino. Isso inclui a dieta, o estilo de vida, o uso de medicamentos, condições de saúde subjacentes e até mesmo fatores ambientais.


Frutas vermelhas

Embora mais pesquisas sejam necessárias para entender completamente como podemos aumentar a abundância de A. muciniphila, algumas estratégias parecem promissoras:


  • Polifenóis: compostos encontrados em alimentos, como frutas vermelhas (mirtilo, morango, cranberry), romã, chá verde, chocolate amargo.


  • Dieta rica em fibras: a fibra alimentar promove o crescimento de bactérias benéficas no intestino, incluindo a A. muciniphila. Alimentos como frutas, legumes, grãos integrais, sementes e leguminosas são boas fontes de fibras.


  • Prebióticos: a suplementação de inulina, alimentos ricos em ômega 3, como sementes e oleaginosas são boas fontes de prebióticos.


  • Pós-bióticos: a suplementação de MAMPs de A. muciniphila pode favorecer o microambiente intestinal e assim, estimular o crescimento de bactérias benéficas.



O que são MAMPs de Akkermansia muciniphila


MAMPs ou padrões moleculares associados a microrganismos são proteínas encontradas na parede celular de bactérias que podem ser reconhecidas pelo nosso sistema imunológico. Quando as nossas células imunes detectam os MAMPs, desencadeiam uma resposta imunológica para combater uma infecção, estimulando a produção de citocinas pró-inflamatórias, ativando células de defesa e iniciando processos que visam destruir ou eliminar os microrganismos invasores.


Os MAMPs são considerados pós-bióticos, ou seja, fragmentos de bactérias que são gerados durante a inativação de bactérias vivas, e que conferem benefício à saúde do hospedeiro.

A segurança do uso de MAMPs foi avaliada pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) e pelo Painel sobre Nutrição, Novos Alimentos e Alergénios Alimentares (NDA), sendo classificado como um novo suplemento alimentar. A recomendação de consumo seguro dos MAMPs de A. muciniphila é de até 3,4 × 10 bilhões de células/dia, excluindo mulheres grávidas e lactantes, desde que o número de células viáveis ​​ seja <10 UFC/g.


Embora ainda haja muito a aprender sobre essa bactéria e como aumentar a abundância de Akkermansia muciniphila no intestino, os resultados iniciais são promissores e sugerem que estratégias dietéticas e de estilo de vida podem ser utilizadas. No entanto, é importante lembrar que a pesquisa sobre Akkermansia muciniphila ainda está em andamento, e mais estudos são necessários para entender completamente seu papel na saúde humana.



Como identificar a Akkermansia muciniphila na intestino? 


A identificação de Akkermansia muciniphila na microbiota intestinal pode ser feita  através do sequenciamento de DNA das fezes, como os exames PRObiome e PRObiome Plus. Essa informação pode então ser correlacionada com os dados clínicos, auxiliando na conduta personalizada dos pacientes*. 


Procure o seu médico ou nutricionista e converse sobre como estes exames podem ajudar a cuidar da sua saúde de forma mais precisa.


*Atenção! Esta espécie está localizada principalmente imersa na camada de muco. Portanto, a não detecção nas fezes não significa a ausência da bactéria no intestino. 



Referências:


Biagi, Elena, Claudio Franceschi, Simone Rampelli, Marco Severgnini, Rita Ostan, Silvia Turroni, Clarissa Consolandi, et al. 2016. “Gut Microbiota and Extreme Longevity.” Current Biology: CB 26 (11): 1480–85.


Derosa, Lisa, Bertrand Routy, Andrew Maltez Thomas, Valerio Iebba, Gerard Zalcman, Sylvie Friard, Julien Mazieres, et al. 2022. “Intestinal Akkermansia Muciniphila Predicts Clinical Response to PD-1

Blockade in Patients with Advanced Non-Small-Cell Lung Cancer.” Nature Medicine 28 (2): 315–24.


EFSA Panel on Nutrition, Novel Foods and Food Allergens (NDA), Dominique Turck, Torsten Bohn, Jacqueline Castenmiller, Stefaan De Henauw, Karen Ildico Hirsch-Ernst, Alexandre Maciuk, et al. 2021. “Safety of Pasteurised Akkermansia Muciniphila as a Novel Food pursuant to Regulation (EU) 2015/2283.” EFSA Journal. European Food Safety Authority 19 (9): e06780.


Fan, Shiying, Zhengting Jiang, Zhilin Zhang, Juan Xing, Daorong Wang, and Dong Tang. 2023. “Akkermansia Muciniphila: A Potential Booster to Improve the Effectiveness of Cancer Immunotherapy.” Journal of Cancer Research and Clinical Oncology 149 (14): 13477–94.


Gubernatorova, Ekaterina O., Ekaterina A. Gorshkova, Marina A. Bondareva, Olga A. Podosokorskaya, Anna D. Sheynova, Anastasia S. Yakovleva, Elizaveta A. Bonch-Osmolovskaya, Sergei A. Nedospasov, Andrey A. Kruglov, and Marina S. Drutskaya. 2023. “Akkermansia Muciniphila - Friend or Foe in Colorectal Cancer?” Frontiers in Immunology 14 (December): 1303795.


Kirmiz, Nina, Kadir Galindo, Karissa L. Cross, Estefani Luna, Nicholas Rhoades, Mircea Podar, and Gilberto E. Flores. 2020. “Comparative Genomics Guides Elucidation of Vitamin B12 Biosynthesis in Novel Human-Associated Akkermansia Strains.” Applied and Environmental Microbiology 86 (3). https://doi.org/10.1128/AEM.02117-19.


Luo, Yuheng, Cong Lan, Hua Li, Qingyuan Ouyang, Fanli Kong, Aimin Wu, Zhihua Ren, et al. 2022. “Rational Consideration of Akkermansia Muciniphila Targeting Intestinal Health: Advantages and Challenges.” NPJ Biofilms and Microbiomes 8 (1): 81.


Pellegrino, Antonio, Gaetano Coppola, Francesco Santopaolo, Antonio Gasbarrini, and Francesca Romana Ponziani. 2023. “Role of Akkermansia in Human Diseases: From Causation to Therapeutic Properties.” Nutrients 15 (8). https://doi.org/10.3390/nu15081815.


Reunanen, Justus, Veera Kainulainen, Laura Huuskonen, Noora Ottman, Clara Belzer, Heikki Huhtinen, Willem M. de Vos, and Reetta Satokari. 2015. “Akkermansia Muciniphila Adheres to Enterocytes and Strengthens the Integrity of the Epithelial Cell Layer.” Applied and Environmental Microbiology 81 (11): 3655–62.


Roshanravan, Neda, Sepideh Bastani, Helda Tutunchi, Behnam Kafil, Omid Nikpayam, Naimeh Mesri Alamdari, Amir Hadi, Simin Sotoudeh, Samad Ghaffari, and Alireza Ostadrahimi. 2023. “A Comprehensive Systematic Review of the Effectiveness of Akkermansia Muciniphila, a Member of the Gut Microbiome, for the Management of Obesity and Associated Metabolic Disorders.” Archives of Physiology and Biochemistry 129 (3): 741–51.


Si, Jiyeon, Hyena Kang, Hyun Ju You, and Gwangpyo Ko. 2022. “Revisiting the Role of Akkermansia Muciniphila as a Therapeutic Bacterium.” Gut Microbes 14 (1): 2078619.


Xue, Chen, Ganglei Li, Xinyu Gu, Yuanshuai Su, Qiuxian Zheng, Xin Yuan, Zhengyi Bao, Juan Lu, and Lanjuan Li. 2023. “Health and Disease: Akkermansia Muciniphila, the Shining Star of the Gut Flora.” Research/ a Journal of Science and Its Applications 6 (April): 0107.


Zhai, Qixiao, Saisai Feng, Narbad Arjan, and Wei Chen. 2019. “A next Generation Probiotic, Akkermansia Muciniphila.” Critical Reviews in Food Science and Nutrition 59 (19): 3227–36.


Zheng, Mengyu, Ran Han, Yali Yuan, Yunqi Xing, Wenji Zhang, Zhongmei Sun, Yuyue Liu, Junxiang Li, and Tangyou Mao. 2022. “The Role of Akkermansia Muciniphila in Inflammatory Bowel Disease: Current Knowledge and Perspectives.” Frontiers in Immunology 13: 1089600.


Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


Gostou do conteúdo?
Assine nossa newsletter e seja o primeiro a saber sobre as novidades.
* A BiomeHub tem o compromisso de proteger e respeitar sua privacidade e nós usaremos suas informações pessoais somente para administrar sua conta e fornecer os produtos e serviços que você nos solicitou. Ocasionalmente, gostaríamos de contatá-lo sobre os nossos produtos e serviços, também sobre outros assuntos que possam ser do seu interesse. Você pode cancelar o recebimento dessas comunicações quando quiser. 

Obrigado por se inscrever!

bottom of page