top of page

O microbioma vaginal tem estreita relação com a saúde da mulher

O microbioma vaginal é composto por microrganismos benéficos e comensais, que ajudam a estabilizar o pH do canal vaginal e impedir que bactérias patogênicas se desenvolvam.


ilustracao de utero com flores

Em mulheres saudáveis ​​em idade reprodutiva, o microbioma vaginal geralmente mostra uma predominância do gênero Lactobacillus, sendo representado principalmente pelas espécies L. crispatus, L. iners, L. jensenii e L. gasseri. Os lactobacilos promovem a manutenção da homeostase vaginal e previnem a colonização e o crescimento de microrganismos nocivos, incluindo os responsáveis ​​por infecções sexualmente transmissíveis (IST).


Essa função defensiva é exercida por vários mecanismos, como redução do pH vaginal, produção de compostos bioativos, competição por nutrientes e sítios de adesão e regula o sistema imune. No entanto, a composição do microbioma vaginal pode variar ao longo da vida da mulher em resposta a fatores endógenos e exógenos, como infecções vaginais, idade, gravidez e tratamentos medicamentosos.


A alteração de populações de microrganismos no microbioma vaginal pode ter efeitos graves, incluindo a incidência de vaginose bacteriana e ISTs. Vários estudos observaram que esse distúrbio pode promover muitos problemas de saúde reprodutiva, incluindo doenças inflamatórias pélvicas. Outras pesquisas sugerem também que a vaginose bacteriana pode aumentar o impacto do papilomavírus humano (HPV), que está intimamente ligado à incidência de câncer cervical.



Desequilíbrios da microbiota vaginal

A microbiota vaginal tem grande importância na manutenção da saúde vaginal e na proteção contra doenças. Acredita-se que as bactérias que habitam a vagina humana sejam a primeira linha de defesa contra a infecção vaginal, como resultado da exclusão competitiva e da morte direta de outros microrganismos patogênicos.


Veja também: Conceitos sobre microbioma vaginal: o que você deve saber?


As infecções urogenitais e a disbiose afetam mais de 1 bilhão de mulheres a cada ano, comprometendo seu bem-estar e afetando sua saúde reprodutiva. O desequilíbrio do microbioma vaginal pode estar associado a diversos fatores e sintomas como:


  • Candidíase

  • Infertilidade

  • Vaginose Bacteriana (VB)

  • Doença inflamatória pélvica

  • Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)

  • Aborto espontâneo e parto prematuro

  • Dor pélvica

  • Corrimento vaginal

  • Dor na relação sexual

  • Irritação ou coceira vaginal

  • Ardência ou urgência ao urinar

  • Dor, desconforto ou ardência vaginal


A disbiose vaginal mais comum em todo o mundo é a vaginose bacteriana, que é caracterizada por uma mudança na composição microbiana.


Atualmente, já está amplamente estabelecido que a condição da vaginose bacteriana é caracterizada pela redução na concentração de lactobacilos e pela presença de bactérias anaeróbias, como Gardnerella vaginalis, Atopobium spp., Prevotella spp., além de altas concentrações de várias aminas biogênicas (putrescina, cadaverina e trimetilamina) e de ácidos graxos de cadeia curta (especialmente acetato e succinato), e baixos níveis de alguns aminoácidos (tirosina, glutamato).

Diversos estudos epidemiológicos têm relatado que a vaginose bacteriana representa um fator de risco para aquisição de IST.


mulher com as maos na barriga sentindo dor

Entre as infecções, a candidíase vulvovaginal afeta cerca de 75% das mulheres em idade reprodutiva pelo menos uma vez na vida, sendo que cerca de 5% delas apresentam recorrências. A candidíase vulvovaginal é causada por Candida spp. que, em condições particulares, em vez de fazer parte da microbiota vaginal normal, torna-se um patógeno fúngico oportunista robusto, com tendência ao crescimento excessivo C. albicans é responsável por 80 a 92% dos casos de candidíase vulvovaginal. A candidíase vulvovaginal representa a micose mucocutânea mais frequente causada por leveduras do gênero Candida, com impacto significativo na qualidade de vida das mulheres e nos custos médicos associados, devido ao alto índice de recorrência e ao aumento do nível de resistência aos antifúngicos.


Muitas mulheres também sofrem da chamada candidíase de repetição e de infecção urinária. Esses quadros podem estar relacionados à disbiose vaginal. O sistema urinário, reprodutivo e intestinal estão interligados. Por isso, deve-se ficar atento também ao equilíbrio intestinal para evitar condições e sintomas adversos, associados a essa conexão.


Veja também: Vaginose bacteriana: entenda a condição mais comum entre as mulheres.



Eixo intestino-vagina

Um microbioma intestinal saudável contém bactérias benéficas que produzem ácidos graxos de cadeia curta, prevenindo a inflamação e mantendo o revestimento intestinal saudável.


Um estudo publicado na revista Science teve como foco entender como os esteroides sexuais alteram a microbiota intestinal e vaginal e afetam a saúde das mulheres. Segundo o artigo, o aumento repentino dos esteroides sexuais na puberdade está associado a uma menor diversidade da microbiota vaginal. Essa menor diversidade sugere que o aumento dos hormônios esteroides na puberdade cria um ambiente novo, definindo o intestino adulto da mulher e o microbioma vaginal.


Essa nova composição hormonal da mulher adulta estabelece um equilíbrio entre a interação de esteroides sexuais e a microbiota vaginal e intestinal, impactando profundamente a saúde da mulher em todos os estágios da vida.

A microbiota intestinal controla a circulação de estrogênio no estroboloma (o conjunto de bactérias dedicadas a manter o equilíbrio do estrogênio) e, por sua vez, em circulação, o estrogênio ajuda a definir a microbiota vaginal, promovendo a saúde do trato reprodutivo.

Os autores deste trabalho acreditam que os microbiomas intestinal e vaginal parecem ter funções críticas que se sobrepõem, estando relacionados a uma variedade de distúrbios e doenças que afetam mulheres ao longo da vida, incluindo:

  • a síndrome dos ovários policísticos,

  • infertilidade sem explicação,

  • obesidade e

  • câncer do endométrio.


Na verdade, quando os microbiomas vaginal e intestinal estão saudáveis, as bactérias enviam estímulos ao sistema imunológico que desativam a inflamação, garantindo uma barreira contra substâncias inflamatórias nocivas no intestino. Quando não estão equilibrados, os dois microbiomas podem sinalizar ao sistema imunológico e estimular a inflamação, em vez de evitá-la.


Assim, como as alterações na microbiota podem estar envolvidas em determinadas patologias e influenciar de forma significativa o bem-estar, é aconselhável acompanhar e entender sua composição, buscando indicadores de manutenção da saúde.


A BiomeHub desenvolveu o BIOfeme, o primeiro exame do Brasil capaz de identificar a composição da microbiota vaginal - bactérias e fungos - por meio da metodologia de sequenciamento de DNA de alto desempenho.


Saiba mais sobre o BIOfeme aqui: https://www.biome-hub.com/biofeme


Esteja atenta e, se possível, tenha um especialista de confiança para lhe apoiar. O quanto antes são identificados quaisquer distúrbios, melhor!


Fontes:


Ceccarani, C., Foschi, C., Parolin, C. et al. Diversity of vaginal microbiome and metabolome during genital infections. Sci Rep 9, 14095 (2019). https://doi.org/10.1038/s41598-019-50410-x


Emmanuel Amabebe, Dilly O. C. Anumba, Female Gut and Genital Tract Microbiota-Induced Crosstalk and Differential Effects of Short-Chain Fatty Acids on Immune Sequelae, 2020. DOI: 10.3389/fimmu.2020.02184


Chris Kenyon, The global epidemiology of bacterial vaginosis: A systematic review, 2013. DOI: 10.1016/j.ajog.2013.05.006


Andrew B. Onderdonk, Mary L. Delaney, Raina N. Fichorova, The Human Microbiome during Bacterial Vaginosis, 2016. DOI: 10.1128/CMR.00075-15


Gregor Raid et al., Oral use of Lactobacillus rhamnosus GR-1 and L. fermentum RC-14 significantly alters vaginal flora: randomized, placebo-controlled trial in 64 healthy women. 2003. DOI: 10.1016/S0928-8244(02)00465-0


Desai MS, et al. A Dietary Fiber-Deprived Gut Microbiota Degrades the Colonic Mucus Barrier and Enhances Pathogen Susceptibility. Cell. 2016. doi: 10.1016/j.cell.2016.10.043.



Posts Relacionados

Ver tudo
Gostou do conteúdo?
Assine nossa newsletter e seja o primeiro a saber sobre as novidades.
* A BiomeHub tem o compromisso de proteger e respeitar sua privacidade e nós usaremos suas informações pessoais somente para administrar sua conta e fornecer os produtos e serviços que você nos solicitou. Ocasionalmente, gostaríamos de contatá-lo sobre os nossos produtos e serviços, também sobre outros assuntos que possam ser do seu interesse. Você pode cancelar o recebimento dessas comunicações quando quiser. 

Obrigado por se inscrever!

bottom of page