top of page

Microbioma vaginal e saúde da mulher

Uma pesquisa feita pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) mostrou que 8 em cada 10 mulheres acreditam ser importante o cuidado íntimo para a saúde. Porém é significativa a parcela das mulheres que não se consultam com frequência ou nunca foram ao ginecologista.



O que chama atenção são as justificativas dadas pelas entrevistadas:

  • se consideram saudáveis,

  • não julgam importante,

  • tem vergonha,

  • não gostam ou

  • tem medo de detectar algo.

Mas o que muitas mulheres ainda não sabem é que a saúde íntima está diretamente associada aos microrganismos presentes na vagina, ou seja, a microbiota vaginal. E o mais interessante é que a maioria desses microrganismos não estão associados somente a doenças e sim a proteção e manutenção da saúde vaginal. Por isso, conhecer e entender mais sobre o microbioma vaginal pode despertar um maior interesse das mulheres a procurar seus ginecologistas.


Os microrganismos desse microbioma produzem barreiras naturais que inibem a proliferação de agentes danosos à saúde feminina.




O microbioma vaginal


O microbioma vaginal é composto por microrganismos benéficos e comensais, que ajudam a estabilizar o pH do canal vaginal e impedir que bactérias patogênicas se desenvolvam.


Constitui a principal linha de defesa contra a infecção vaginal, como resultado da exclusão competitiva e da morte direta de outros microrganismos patogênicos. Dependendo do seu equilíbrio, esses microrganismos podem proteger a saúde íntima da mulher ou causar doenças e situações indesejadas.


Importância dos Lactobacillus

A microbiota vaginal considerada ideal é composta pelo predomínio do gênero Lactobacillus, sendo representado principalmente pelas espécies L. crispatus, L. iners, L. jensenii e L. gasseri, e baixa diversidade de microrganismos.

homeostase vaginal

As espécies de Lactobacillus promovem a manutenção da homeostase vaginal, previnem a colonização e o crescimento de microrganismos nocivos, incluindo os responsáveis ​​por infecções sexualmente transmissíveis (IST). Essa função defensiva é exercida por vários mecanismos, como redução do pH vaginal (mantêm o valor de pH ideal para o equilíbrio do microbioma), produção de compostos antimicrobianos, como ácido lático, peróxido de hidrogênio e bacteriocinas, que contribuem para um microbioma vaginal saudável e estabelecem uma defesa contra os patógenos invasores.


No entanto, a composição do microbioma vaginal pode variar ao longo da vida da mulher em resposta a fatores endógenos e exógenos, como infecções vaginais, idade, gravidez e tratamentos medicamentosos.



Desequilíbrio do microbioma vaginal


As infecções urogenitais e a disbiose afetam mais de 1 bilhão de mulheres a cada ano, comprometendo seu bem-estar e afetando sua saúde reprodutiva.


A alteração de populações de microrganismos no microbioma vaginal pode ter efeitos graves, incluindo a incidência de vaginose bacteriana e ISTs. Vários estudos observaram que esse distúrbio pode promover muitos problemas de saúde reprodutiva, incluindo doenças inflamatórias pélvicas (DIP) e infertilidade.


Também foi observado que a vaginose bacteriana pode aumentar o impacto do papilomavírus humano (HPV), que está intimamente ligado à incidência de câncer cervical. O desequilíbrio do microbioma vaginal pode estar associado a diversos fatores e sintomas como:

  • Candidíase

  • Infertilidade

  • Vaginose Bacteriana (VB)

  • Doença inflamatória pélvica

  • Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)

  • Aborto espontâneo e parto prematuro

  • Dor pélvica

  • Corrimento vaginal

  • Dor na relação sexual

  • Irritação ou coceira vaginal

  • Ardência ou urgência ao urinar

  • Dor, desconforto ou ardência vaginal

É importante lembrar que fatores ambientais e genéticos também influenciam a microbiota vaginal.



Disbiose Vaginal


A disbiose vaginal mais comum em todo o mundo é a vaginose bacteriana, que é caracterizada por uma mudança na composição microbiana que compreende a redução da proporção de Lactobacillus e o aumento da proporção de bactérias anaeróbias, como Gardnerella vaginalis, Atopobium spp., Prevotella spp., além de altos níveis de alguns aminoácidos (tirosina, glutamato). Diversos estudos epidemiológicos têm relatado que a vaginose bacteriana representa um fator de risco para aquisição de IST.



Entre as infecções, a candidíase vulvovaginal afeta cerca de 75% das mulheres em idade reprodutiva pelo menos uma vez na vida, sendo que cerca de 5% delas apresentam recorrências. A candidíase vulvovaginal é causada por fungos do gênero Candida que, em condições particulares, em vez de fazer parte da microbiota vaginal normal, torna-se um patógeno fúngico oportunista com impacto significativo na qualidade de vida das mulheres e nos custos médicos associados, devido ao alto índice de recorrência e ao aumento do nível de resistência aos antifúngicos.


Cerca de 80 a 92% dos casos de candidíase vulvovaginal estão associados a espécie C. albicans, no entanto outras espécies também podem estar associadas às infecções, portanto a identificação correta desse agente etiológico pode direcionar uma conduta médica diferencial e mais assertiva.

Muitas mulheres também sofrem da chamada candidíase de repetição e de infecção urinária. Esses quadros podem estar relacionados à disbiose vaginal. O sistema urinário, reprodutivo e intestinal estão interligados. Por isso, deve-se ficar atento também ao equilíbrio intestinal para evitar condições e sintomas adversos, associados a essa conexão.



Procure um ginecologista


Esteja atenta e, se possível, tenha um especialista de confiança para lhe apoiar. Quanto antes são identificados quaisquer distúrbios, melhor!


O equilíbrio entre os bons hábitos e os cuidados com a saúde íntima, adquiridos pela consciência e acesso às informações, são essenciais para fortalecer uma vida saudável!


A BiomeHub desenvolveu o BIOfeme, o primeiro exame do Brasil capaz de identificar a composição da microbiota vaginal - bactérias e fungos - por meio da metodologia de sequenciamento de DNA de alto desempenho.


Saiba mais sobre o BIOfeme aqui: https://www.biome-hub.com/biofeme



Fontes:


Achkar JM, Fries BC. Candida infections of the genitourinary tract. 2010. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20375352/


Amabebe E., et al. The Vaginal Microenvironment: The Physiologic Role of Lactobacilli. 2018. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29951482/


Ceccarani C., et al. Diversity of vaginal microbiome and metabolome during genital infections. 2019 . https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31575935/


Coleman JS, Gaydos CA. Molecular Diagnosis of Bacterial Vaginosis: an Update. 2018. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29769280/


Fredricks DN., et al. Molecular identification of bacteria associated with bacterial vaginosis. 2005. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/16267321/


Greenbaum S., et al. Ecological dynamics of the vaginal microbiome in relation to health and disease. 2019. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30447213/


Gonçalves B., et al. Vulvovaginal candidiasis: Epidemiology, microbiology and risk factors. 2016. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26690853/


Jacobsson B., et al. Bacterial vaginosis in early pregnancy may predispose for preterm birth and postpartum endometritis. 2002. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/12421167/


McKinnon LR., et al. The Evolving Facets of Bacterial Vaginosis: Implications for HIV Transmission. AIDS Res Hum Retroviruses. 2019 https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30638028/


Ness RB, Kip KE., et al. A cluster analysis of bacterial vaginosis-associated microflora and pelvic inflammatory disease. 2005. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/16093289/


Ravel J., et al. Daily temporal dynamics of vaginal microbiota before, during and after episodes of bacterial vaginosis. 2013 https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24451163/


Ravel J., et al. Vaginal microbiome of reproductive-age women. 2011. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20534435/


Kaambo E., et al. Vaginal Microbiomes Associated With Aerobic Vaginitis and Bacterial Vaginosis. 2018. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29632854/


Van de Wijgert JH., et al. The vaginal microbiota: what have we learned after a decade of molecular characterization? 2014. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25148517/


Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


Gostou do conteúdo?
Assine nossa newsletter e seja o primeiro a saber sobre as novidades.
* A BiomeHub tem o compromisso de proteger e respeitar sua privacidade e nós usaremos suas informações pessoais somente para administrar sua conta e fornecer os produtos e serviços que você nos solicitou. Ocasionalmente, gostaríamos de contatá-lo sobre os nossos produtos e serviços, também sobre outros assuntos que possam ser do seu interesse. Você pode cancelar o recebimento dessas comunicações quando quiser. 

Obrigado por se inscrever!

bottom of page