Como as dietas interferem na microbiota intestinal

Atualizado: 19 de Mai de 2020

#MicrobiotaIntestinal #Enterotipos #ModulaçãoIntestinal #Dietas



Inúmeras dietas são conhecidas hoje em dia, dentre elas estão as dietas vegana, vegetariana, glúten-free, mediterrânea, cetogênica entre outras. Mas até que ponto essas dietas interferem na composição da microbiota intestinal?


Esse tema tem sido alvo de inúmeros estudos nos últimos anos e hoje se sabe que um dos fatores principais que regulam a composição e fisiologia da microbiota intestinal são os carboidratos presentes no intestino e provenientes da dieta ou do muco intestinal.


No início da colonização da microbiota, os carboidratos disponíveis são provenientes do leite materno. A microbiota inicial tem basicamente quatro filos de microrganismos: Bacteroidetes, Proteobacteria, Firmicutes e Actinobacteria.


Em crianças que são amamentadas exclusivamente com o leite materno existe a predominância dos gêneros Lactobacillus e Bifidobacterium. Crianças que tomam fórmulas comerciais têm menos Lactobacillus e Bifidobacterium e um aumento significativo de Clostridium, Bacteroides e de membros da família Enterobacteriaceae. Ao serem introduzidos na alimentação, cereais, frutas e vegetais, outros microrganismos aparecem.


Dentre eles as bactérias gram-negativas como os Bacteroides, espécies do filo Firmicutes e as Actinobactérias. Nas bactérias dos adultos predominam os filos Firmicutes e Bacteroidetes. Essas análises mostram que o tipo de alimentação é um fator importante para a composição da microbiota intestinal.


Microbiota Intestinal


A microbiota existente nos seres humanos evoluiu de uma relação simbiótica que trouxe inúmeros benefícios, incluindo proteção contra patógenos, manutenção da integridade da barreira intestinal, contribuição de nutrientes, como vitaminas (vitamina K e B) e produção de ácidos graxos de cadeia curta (AGCC). 


A composição da microbiota intestinal é única em cada indivíduo, composta de bactérias distintas, em sua maioria não patogênicas que são adquiridas no nascimento e a outra parte é definida pelas características ambientais, como a idade, os hábitos alimentares, que resultam numa grande variedade e torna a microbiota única para cada indivíduo.  


Quando comparamos geneticamente dois indivíduos é possível verificar que eles são 99,9% semelhantes, porém, ao compararmos a geneticamente seus microbiomas intestinais verifica-se que são de 80 a 90% diferentes. Através da identificação da diversidade de bactérias que compõem a microbiota, por meio do sequenciamento do DNA, é possível conduzir a modulação que elas podem sofrer.


O microbioma pode ser categorizado em três enterotipos, caracterizados pela abundância dominante de grupos de bactérias dos gêneros:


  • Bacteroides - mai